Alimento diário


Semana 4 - domingo


SÉRIE: O coração da Bíblia
MENSAGEM: Filipenses [8]: Desenvolver a salvação – (Fp 2:12-13)
Leitura bíblica:
Ef 1:18-20; Fp 1:8; 2:8
Ler com oração:

Ao nome de Jesus se dobre todo joelho, nos céus, na terra e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, para glória de Deus Pai (Fp 2:10-11).


TERNAS MISERICÓRDIAS E ENTRANHADOS AFETOS

Depois de Se esvaziar e Se humilhar, o passo seguinte que Jesus tomou foi ser obediente até a morte, e morte de cruz (Fp 2:8). Porém, nos versículos 9-11, vemos “que também Deus o exaltou sobremaneira e lhe deu o nome que está acima de todo nome, para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, nos céus, na terra e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, para glória de Deus Pai”. É crucial confessar Jesus como o Senhor, porque Jesus é homem, é Deus que se fez homem. Nesse homem há a nossa salvação.
Em Efésios 1:18-20, Paulo ora para que tenhamos os olhos do coração iluminados para saber qual é a esperança do nosso chamamento, qual a riqueza da glória da herança de Deus nos santos e qual a suprema grandeza do poder divino para com os que cremos, segundo a eficácia da força desse poder exercido em Cristo por meio de Sua ressurreição dentre os mortos e de fazê-Lo assentar-Se à direita de Deus nos lugares celestiais. Precisamos conhecer a suprema grandeza do poder de Deus, o poder de ressurreição, o qual Deus já exerceu em nós também. Não é um poder meramente pentecostal, que vem de fora, mas da vida de ressurreição em nós. Não é o que vem e vai embora, mas o que permanece. A questão é como tomar posse dele. Sem uma vida crucificada, não o teremos. Se não estamos dispostos a nos humilhar, a negar a nós mesmos, a perder a vida da alma, mas, ao contrário, estamos sempre prontos para fazer prevalecer nossa opinião, nunca teremos esse poder. Não há atalho.
É isso que Paulo fala em Filipenses 3:10: “Para o conhecer, e o poder da sua ressurreição, e a comunhão dos seus sofrimentos, conformando-me com ele na sua morte”. Ele já estava perto de ser martirizado, aparentemente já maduro, mas ainda buscava desenvolver a salvação. Quanto mais nós! No versículo 12 prossegue: “Não que eu o tenha já recebido ou tenha já obtido a perfeição; mas prossigo para conquistar aquilo para o que também fui conquistado por Cristo Jesus”. Para conquistar a vitória, nós mesmos precisamos ser conquistados, nosso ego, carne e velho homem precisam ser vencidos, derrotados. Assim obteremos a coroa da justiça.
Vejamos agora um item muito importante. Em Filipenses 1:8 Paulo cita a “terna misericórdia” de Cristo Jesus e em 2:1 ele fala de “entranhados afetos”. O termo grego para as duas expressões é splágchnon e se refere às entranhas, às vísceras, aos intestinos. Hoje em medicina a região esplâncnica é a parte do intestino que absorve os nutrientes digeridos pelo estômago. É ali que todas as riquezas dos alimentos passam a fazer parte de nós. Nos tempos antigos, cria-se que essas eram as partes mais profundas de nosso ser, de onde vinham os sentimentos mais ternos, compassivos e nobres de um ser humano.
Se formos sinceros, confessaremos que nossos sentimentos humanos são frios, egoístas e individuais. Nesse estado tão baixo, nossa humanidade não atende à necessidade da edificação de Deus. Quando chega o momento de nos relacionarmos uns com os outros, começamos a ter problemas porque a nossa humanidade é insuficiente. Como conseguimos ter uma humanidade adequada para praticar as coisas de Deus? É em Cristo Jesus, em Suas entranhas. O que precisamos para ser seres humanos autênticos e corretos, cheios de amor e misericórdia uns para com os outros, está no âmago de Cristo. Por isso carecemos cada vez mais de Seu dispensar em nós, Sua economia divina. Para isso, precisamos dobrar os joelhos e confessar que Jesus Cristo é o Senhor. Humilhando-nos diante Dele desse modo, receberemos mais de Sua vida e natureza em nós. Aleluia!