Desde 1975 levando vida para todos.

Alimento diário


Semana 7 - Wednesday


SÉRIE: A Ideia Central das Epístolas de Paulo
MENSAGEM: 15: A essência da filiação – (Gl 4:1-2, 6-7)
Leitura bíblica:
Lc 15:11-32; Jo 1:11-12, 18; 14:6; Rm 8:16; Ef 1:7; 2:18; Cl 1:15
Ler com oração:

Amados, agora, somos filhos de Deus, e ainda não se manifestou o que haveremos de ser. Sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele, porque haveremos de vê-lo como ele é (1 Jo 3:2). 


FILHOS LEGÍTIMOS DE DEUS

Hoje veremos a base bíblica da nossa filiação. Em João 1:12 lemos: “Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que creem no seu nome”. Ao crermos no nome do Senhor, nós O recebemos. Então a nós foi dado o poder de sermos feitos filhos de Deus. Esses filhos não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus. A palavra grega para filho aqui é téknon, um filho infantil que ainda precisa crescer. Não é uma questão de quanto tempo a pessoa está na vida da igreja, mas de buscar crescimento espiritual. Muitos irmãos amadurecem rapidamente, pois têm uma atitude de se dispor a servir e viver de maneira intensa a vida da igreja.
Em 1 João 3:1-2 vemos que não apenas somos chamados filhos de Deus, mas, de fato, somos filhos de Deus. Não fomos adotados, mas temos a vida de Deus em nós, como se o “DNA” divino pudesse ser encontrado em nossos “genes espirituais”. À semelhança de João 1:12, a palavra filho aqui também é téknon.
Romanos 8:16 diz: “O próprio Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus”. Filho, nesse versículo, também é téknon, um cristão que ainda não tem consciência completa do que significa ser filho de Deus. Mas o próprio Espírito garante que temos o elemento divino em nosso interior. Graças ao Senhor! À medida que vamos crescendo, essa consciência vai se tornando mais forte. Quando alguém se converte, ele ainda é um recém-nascido na vida de Deus, por isso muitas vezes o Espírito precisa lembrá-lo de que ele é filho de Deus. Quando pecamos, por exemplo, alguns se sentem extremamente condenados e têm dificuldade de se voltar ao Senhor. Nesse momento o Espírito está em nosso espírito para nos lembrar de que Deus, como o nosso Pai, está disposto a nos receber de volta e perdoar os nossos pecados (Lc 15:11-32).
Conforme crescemos em vida, a imagem e a semelhança de Deus se tornam mais perceptíveis em nossas atitudes. A imagem é interior, e se refere à maneira de falar, de se expressar, aos nossos valores, ao passo que a semelhança é exterior. Essas características, no entanto, dependem do crescimento, por isso precisamos buscar crescer em vida todos os dias.
Como podemos, então, ter a imagem de Deus? Em Colossenses lemos que Cristo é a imagem do Deus invisível (1:15). João 1:18 diz que ninguém jamais viu a Deus, mas o Filho Unigênito de Deus é quem O manifestou. Deus era inacessível, mas, por amar o homem, Ele se encarnou e nos trouxe a redenção e a remissão dos pecados por meio de Jesus Cristo (Ef 1:7). Hoje, por meio do Filho de Deus, temos acesso ao Pai em um Espírito (2:18), e assim também nos tornamos filhos de Deus, parecidos com o Pai.
 


Ponto-chave:

De fato, somos filhos de Deus!

Pergunta:

Como podemos provar que de fato somos filhos legítimos de Deus?

 

Leitura de apoio:

“O viver dos filhos de Deus” – cap. 2 – Dong Yu Lan.