Alimento diário


Semana 3 - domingo


SÉRIE: A Economia Divina
MENSAGEM: 19: As etapas do crescimento em vida – (Gl 4:1-2, 6-7)
Leitura bíblica:
Ef 4:15; 2 Pe 1:5-9
Ler com oração:

Por isso, irmãos, procurai, com diligência cada vez maior, confirmar a vossa vocação e eleição; porquanto, procedendo assim, não tropeçareis em tempo algum, pois desta maneira é que vos será amplamente suprida a entrada no reino eterno de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo (2 Pe 1:10-11). 


BUSCAR COM DILIGÊNCIA O CRESCIMENTO DE VIDA

Hoje continuaremos a falar das etapas do crescimento em vida que, de acordo com Gálatas 4, podem ser divididas em três. A primeira diz respeito ao tempo em que éramos infantis na fé. Nessa etapa, não tínhamos sequer noção do que é ser um filho de Deus. Não fosse pela ajuda dos tutores e curadores que existem na igreja, não progrediríamos na fé. Sob o ponto de vista humano, a primeira etapa se assemelha aos primeiros 12 anos de idade, uma fase em que somos completamente dependentes de nossos pais para viver. Se não fosse a ajuda deles, não conseguiríamos superar as dificuldades da fase inicial da vida e dificilmente chegaríamos a ser adultos.
A segunda etapa, por sua vez, inicia quando já temos a consciência do que é ser um filho de Deus. Isso é caracterizado pelo fato de clamarmos: “Aba, Pai”. Invocar Deus como Pai é um sinal de que nos demos conta da nossa identidade como filhos de Deus e que temos a vida divina em nosso interior, capaz de vencer todas as coisas. Essa fase representa um grande avanço em nossa experiência cristã, mas ainda não é o suficiente.
A partir dos 12 anos de idade, inicia-se uma nova etapa na vida, a adolescência. Esse é um período de descobertas, do despertar da consciência e de muito aprendizado. Semelhantemente, o mesmo ocorre no âmbito espiritual. Quando chegamos à segunda etapa do crescimento em vida, por termos desenvolvido uma comunhão com Deus e um conhecimento maior de Sua palavra, nossa consciência nos ajuda a discernir o que agrada ou não a Deus.
Embora nessa fase saibamos de muitas coisas, assim como um adolescente que ainda precisa crescer para atingir a fase adulta, nós, cristãos, também devemos progredir rumo à maturidade cristã. Embora na segunda etapa tenha ocorrido um avanço em relação à primeira, precisamos crescer ainda mais.
Apenas se atingirmos a maioridade espiritual, representada pela maturidade de vida, é que estaremos aptos a receber a herança do Pai. Essa é a terceira etapa. Para a alcançarmos, precisamos buscar incessantemente o crescimento em vida (Ef 4:15). Esse precisa ser nosso propósito de vida cristã: crescer até ao ponto de sermos parecidos com Deus. De acordo com o apóstolo Pedro, para que isso ocorra, devemos ser diligentes em nossa busca (2 Pe 1:5, 10).
Por fim, se formos diligentes em nossa busca pelo crescimento em vida, acrescentando à nossa fé as virtudes divinas, certamente atingiremos o nível máximo de maturidade espiritual que, segundo Pedro, é representado pelo amor. Paulo também nos encoraja a “crescer e aumentar no amor” (1 Ts 3:12). Esse é o desejo de Deus para nós: que cresçamos até que sejamos totalmente parecidos com Ele. Esse é o encargo central da Epístola aos Gálatas e o sentimento de Pedro ao escrever sua segunda epístola.