Alimento diário


Semana 6 - segunda-feira


SÉRIE: A fé do Evangelho
MENSAGEM: Romanos [8]: A condição caída do homem – (Rm 1:18-20)
Leitura bíblica:
Lc 7:11-15; Jo 3:3-5; 4:5-14, 39; 5:1-9; Fp 1:19
Ler com oração:

Vendo-a, o Senhor se compadeceu dela e lhe disse: Não chores! (Lc 7:13).


CONHECER A CONDIÇÃO DAS PESSOAS

Nesta semana chegamos à seção do livro de Romanos que trata da situação caída da humanidade. Aqui veremos não somente o estado em que se encontra o ser humano sem Deus, mas também qual deve ser nossa atitude para com aqueles que estão nessa condição. O Senhor Jesus é nosso melhor exemplo, conforme será demonstrado a seguir.
Todos nós, que recebemos o chamado de Deus para pregar o evangelho, precisamos conhecer a condição das pessoas. Um bom médico é aquele que conhece o estado do paciente, compreende suas dores e entende o desconforto resultante de sua enfermidade. O Senhor Jesus foi como um bom médico que teve empatia com as pessoas. Ele as ouvia atentamente narrar seus problemas para suprir-lhes em suas necessidades específicas.
Quando se encontrou com Nicodemos – um homem instruído, mestre da lei –, Jesus mostrou a ele que, para ver o reino de Deus e entrar nele, era necessário nascer de novo (Jo 3:3, 5). Mais tarde, quando chegou à cidade de Sicar, junto à fonte de Jacó, iniciou ali um diálogo com a mulher samaritana (4:5-7). Ele compreendeu que aquela mulher tinha um vazio em seu interior, então aproveitou a oportunidade e mostrou-lhe que sua real necessidade era beber da água viva, a qual se tornaria nela uma fonte a jorrar para a vida eterna (vs. 10-14). A mulher pecadora foi tão ajudada que muitos naquela cidade creram no Senhor a partir de seu testemunho (v. 39).
Em outra ocasião, Jesus compadeceu-se de um paralítico que, por trinta e oito anos, tentava entrar no tanque de Betesda para ser curado. Uma vez por ano, enquanto o anjo agitava suas águas, a primeira pessoa que entrasse nele seria curada de qualquer doença que tivesse, mas sempre que o paralítico tentava fazer isso, alguém descia antes dele (Jo 5:1-9). Jesus o ouviu e depois o curou. Quando chegou às portas da cidade de Naim, deparou-se com o enterro do filho único de uma viúva (Lc 7:11-12). O Senhor teve tanta compaixão daquela mulher que isso O levou a um ato de extrema humanidade: Ele tocou no caixão, ordenou ao morto que se levantasse e restituiu o filho a sua mãe (vs. 13-15). Para cada pessoa que encontrava, Ele supria sua necessidade específica.
Amado leitor, procure ver a graça do Senhor suprindo-lhe em cada situação de dificuldade em sua vida. Uma pessoa que nunca fracassou, nunca se sentiu derrotada, nunca passou por uma enfermidade ou experimentou uma perda, dificilmente vai compreender a dor e as dificuldades de quem passa por essas circunstâncias. Não desejamos passar por tribulações e sofrimentos, mas quando surgirem, voltemo-nos ao Senhor para receber a provisão abundante do Espírito e crer que todas essas experiências nos tornam mais humanos e acessíveis (Fp 1:19). Essa palavra é um alerta para nós e, ao mesmo tempo, um encorajamento para nos compadecermos, orarmos e levarmos o evangelho de Deus a todas as pessoas!